Caso das joias de Bolsonaro é perda de tempo, diz Ciro Nogueira

O senador e presidente do PP (Partido Progressista), Ciro Nogueira, disse nesta 5ª feira (17.ago.2023) que o caso das joias envolvendo o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) é uma “bobagem e perda de tempo”. Segundo o congressista, que foi apoiador de Bolsonaro durante seu mandato, “não é justa essa perda de tempo com uma coisa tão pequena”.

As declarações foram dadas em entrevista à rádio CBN. Ciro Nogueira também diz não entender o porquê de uma repercussão tão grande do caso na mídia e que “só se fala em Bolsonaro nesse país […] é uma repercussão psicótica”.

Continua após a publicidade..

No último desdobramento do caso das joias, a PF (Polícia Federal) investiga o anúncio de leilão de um kit de joias recebidas por Bolsonaro. A divulgação de venda dos objetos foi feita em um site dos Estados Unidos em janeiro deste ano.

O ex-chefe do Executivo teria ganhado os itens durante uma viagem oficial à Arábia Saudita em 2021. Eis a lista das peças divulgadas para venda:

relógio;

caneta;

anel;

abotoaduras; e

rosário árabe da marca de luxo Chopard.

De acordo com relatório da PF, o esquema de venda dos bens teria sido articulado pelo ex-ajudante de ordens de Bolsonaro,

o tenente-coronel Mauro Cid, e pelo seu assessor Osmar Crivelatti. As buscas foram realizadas em endereços de militares ligados ao ex-presidente.

Segundo o relatório, Frederick Wassef teria recomprado o relógio por um valor maior do que o da venda no país norte-americano para entregá-lo ao TCU (Tribunal de Contas da União).

Além disso, o documento mostra mensagens do tenente-coronel Mauro Cid sobre ele ter combinado com o seu pai, o general Lourena Cid, a entrega de US$ 25.000 em dinheiro a Bolsonaro para não fazer “movimentação” na conta do ex-presidente.

Simultaneamente, corre a CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) que investiga os atos extremistas do 8 de Janeiro. Na semana passada, a relatora, Eliziane Gama (PSD-MA) disse querer apurar se o dinheiro usado na venda das jóias foi usado para financiar os atos. Contudo, o presidente da comissão, Arthur Maia (União Brasil-BA), já descartou a possibilidade.

“Imaginar que um homem que é capaz de, em uma semana,  arrecadar R$17 milhões com pix de R$2, R$3 vai vender jóia para financiar atos golpistas. Ninguém na CPI imagina isso”, diz o presidente do PP.

REPUBLICANOS SEMPRE SERÁ OPOSIÇÃO

Na mesma entrevista, Ciro Nogueira afirmou que o Republicanos, seu partido, será sempre de oposição ao governo, mesmo com um integrante da sigla assumindo o comando de um ministério.

André Fufuca (PP-MA), deputado e líder do PP na Câmara, está cotado para assumir alguma pasta em breve do governo Lula, mas ainda não se sabe qual.

Segundo Nogueira, quando isso acontecer, ele será “afastado de todas as decisões partidárias” e ainda afirmou que não gostaria que o partido ganhasse uma pasta.

A troca de cargos no comando das pastas tem como objetivo abrigar o centrão no governo e receber apoio dos congressistas dos respectivos partidos. Contudo, para Nogueira,  não é necessário que Lula entregue cargos ou “volte a um passado que deu tão errado” para aprovar suas matérias.

“Nós tivemos um apoio muito ostensivo e com muito orgulho à candidatura do presidente Jair Bolsonaro, e o partido, enquanto eu for presidente, permanecerá na trincheira da oposição”, afirma.

Saiba mais em Poder 360

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *